Meus Discos e Livros e Tudo o Mais!: Março 2011

31 de março de 2011

'Nick & Norah Uma Noite de Amor e Música - Rachel Cohn e David Levithan'






Nick & Norah
Uma Noite de Amor e Música

(Nick & Norah’s Infinity Playlist)
Rachel Cohn e David Levithan





Nick estava na maior fossa depois de ser largado pela namorada, a que ele amava, adorava, a inspiração das canções que ele compôs. Ele ainda não sabia como superar ela ter respondido ‘acabou’ ao ‘eu te amo’ dele. Para piorar, ela apareceu na apresentação da banda em que ele era baixista. Acompanhada por outro. Visando evitar enfrentá-la, Nick se aproxima de uma garota com camisa de flanela no bar e propõe que ela seja sua namorada por 5 minutos.

Norah estava mais uma vez acompanhando sua amiga Caroline em uma de suas aventuras. Ela sempre cuida de Caroline e carrega a amiga bêbada em segurança para casa antes que ela suma com algum desconhecido qualquer. Era o que ela estava prestes a fazer, quando então surge esse cara, baixista de uma das bandas que tocou no lugar, e pergunta se ela quer ser sua namorada por 5 minutos. Ela estava pronta para responder que não, mas quando avista uma das garotas da escola (uma das que ela menos gosta e parece que está o tempo todo a seguindo), e ela vem em sua direção, Norah não pensa duas vezes e beija o tal cara.

O que os dois não esperavam era que o beijo seria tão bom, que a conhecida de Norah, de quem ela queria fugir, e a ex de Nick, que ele queria evitar, fossem a mesma pessoa, ou que os companheiros de banda de Nick iriam assumir os cuidados com Caroline e a missão de levá-la para casa e insistir que Norah saísse de lá com ele. A partir de então, aqueles 5 minutos se transformam em 7, depois em uma noite inteira e entre encontros com ex – tanto a dele quanto o dela – freiras dançarinas, amigas bêbadas, canções compostas numa calçada qualquer, um show secreto, uma dança na chuva e um casaco que pertencia a alguém chamado Salvatore, Nick e Norah passam uma noite inesquecível e interminável, em que se conhecem, se curtem e ficam extremamente confusos com seus sentimentos.

O livro foi escrito em conjunto pela Rachel Cohn e pelo David Levithan e os capítulos são narrados de forma intercalada por Nick e por Norah, David sendo responsável pela parte de Nick e Rachel pela de Norah. Toda a história se passa em apenas uma noite, mas é o suficiente para nos encantarmos por esses dois complicados personagens que ainda não sabem lidar um com outro. Além de ser interessante isso de cada capítulo ser narrado por um dos personagens, também gostei do toque que cada autor deu ao seu personagem. A história é divertida, sem preconceitos, apresentando um protagonista que é o único hétero de uma banda de gays, uma protagonista judia que acredita que os palestinos devem ter seu próprio Estado, e ambos com um gosto bastante eclético para músicas.

Como uma fissurada por música, eu amei as infinitas referências musicais, apesar de não conhecer todas, logicamente, mas uma boa parte. E, como Nick, também vou fingir que Norah não disse que odeia os Beatles, apesar de concordar com ela que “Something” é uma puta canção de amor, e uma das melhores contribuições do George à banda.

Gostei muito da fórmula utilizada pelos autores, em que cada um assume um personagem, e agora fiquei morrendo de vontade de ler o outro livro em conjunto deles, o ‘Dash & Lily’s Book of Dares’, e também os livros que cada um escreveu separadamente.

E lógico, gostando do livro, não posso deixar de recomendar o filme feito com base nele, com o fofo do Michael Cera como Nick e Kat Dennings como Norah, que é divertido, claro que não tanto quanto o livro.

***

25 de março de 2011

*Série 'Os Stanislaski' - Nora Roberts*



Os Stanislaski
(Stanislaski Family)
Nora Roberts



Sempre ouvi muita gente falar bem dos livros da Nora Roberts, mas confesso que tinha um pouco de preguiça de começar a ler os livros dela, já que são tantos. Isso até que um belo dia comecei a ler a Série Mortal, em que ela assina como J.D. Robb, e fiquei absolutamente fascinada. Eu sei, pra quem tinha preguiça comecei logo pela maior série dela, mas sem dúvida a melhor. Enfim, dei um tempinho na Eve e no Roarke e resolvi conhecer outros dos personagens da Nora, e alguns de seus romances. E foi então que eu descobri a família Stanislaski e fiquei encantada. Nessa série lançada pela Harlequin Books, conhecemos os quatro irmãos: Natasha, Mikhail, Alex e Rachel são imigrantes ucranianos. Papai e mamãe Stanislaski, Yuri e Nadia, fugiram da Ucrânia com seus filhos pequenos em busca da liberdade que encontraram nos Estados Unidos.

Cada um dos livros tem como protagonista um dos irmãos. As histórias são independentes, podem ser lidos sem uma ordem específica, mas eu acho mais legal ler na ordem cronológica em que as histórias acontecem. Cronologicamente, primeiro viria o livro da Natasha, em seguida o do Mikhail, o da Rachel e por último o do Alex. Também se pode separar a série em duas sequências diferentes, ‘Os irmãos Stanislaki’ e ‘As irmãs Stanislaski’, com dois livros cada um. Não importa a ordem, cada livro conquista por si só.

Começando pela Natasha, ela é uma ex-bailarina, que deixou o balé de lado, se mudou para uma cidade no interior da Virgínia e abriu uma loja de brinquedos. Lá ela conhece o músico Spencer Kimball e a filhinha dele, Freddie. Spencer não escondeu seu interesse por Natasha desde o primeiro minuto, mas ela a princípio fica irritada com ele, achando que ele estava dando em cima dela apesar de ser casado e ter uma filha. Só depois ela descobre que ele na verdade é viúvo e está disposto a enfrentar a teimosia e gênio forte dela. Spencer é um músico atormentado que há muito tempo não consegue compor, e sua vida se resume a cuidar da filha e dar aulas na Universidade. Mas algo nele muda ao conhecer Natasha. Ela também é atormentada por fantasmas do passado, que a tornaram cética e com medo de viver o sentimento que começa a crescer nela. Além do que ela começa a sentir por Spencer, ela se encanta pela pequena Freddie, uma criança meiga que amolece seu coração. Mas essa menina e o pai dela ainda têm um longo caminho para convencer Natasha a perder o medo de se entregar.

Mikhail é o artista da família. Suas esculturas começam a ficar conhecidas, mas ele permanece fazendo trabalhos de carpinteiro, como seu pai, e continua morando no mesmo prédio, que está caindo aos pedaços. Quando o estado do prédio chega a um ponto crítico e a empresa que é proprietária do edifício não responde às reclamações por escrito ele decide ir pessoalmente enfrentar o presidente da empresa. Ele espera encontrar um senhor idoso de cabelos brancos mas encontra uma jovem e bela ruiva com rosto de porcelana, boca delicada e grandes olhos azuis. Sydney Hayward acabou de assumir a presidência da empresa da família após a morte do avô e além de lutar para se adaptar a sua nova vida também tem que enfrentar a desconfiança de todos, que não acreditam que ela é capaz para o trabalho, afinal, ela foi criada para ter uma vida de princesa. Além de tudo, ela ainda tem seu escritório e sua vida invadida por um eslavo alto e imponente. O mais entregue a seus sentimentos entre os Stanislaski encontra a mulher que todos considera como fria e insensível, e até mesmo ela tem medo de magoar os sentimentos do artista, acreditando realmente que não é capaz de fazer ninguém feliz. Mas o arrogante Mikhail não aceita não como resposta e tem seus planos para fazê-la mudar de ideia.

Rachel é a caçula dos Stanislaski, a única que não nasceu na Ucrânia, não passou pela opressão, pelo medo, pela fuga. Nasceu já nos Estados Unidos e tudo o que ela conheceu foi a liberdade. Mas, nem por isso ela não dá valor a ela, ao contrário, tornou-se defensora pública e dedica sua vida a defender aqueles que não tem quem os defenda. Assim ela conhece Nick, um adolescente problemático que se envolveu com uma gangue e acabou preso. Acreditando no potencial do garoto, luta para que ele não seja condenado. Para isso conta com a ajuda do meio-irmão dele, Zack Muldoon, um ex integrante da Marinha que abandonou a carreira para cuidar do irmão. A juíza responsável pelo caso deixa Nick sob a custódia de Zack, tendo Rachel como responsável por relatórios periódicos da situação do garoto. A convivência faz com que Zack e Rachel se sintam fortemente atraídos um pelo outro. Ela tem receio de enfrentar seus inexplicáveis sentimentos, mas o que ela não contava era que Nick também se interessaria por ela, e não apenas como sua advogada...

O detetive Alex leva seu trabalho muito a sério. Enquanto está trabalhando nada o tira de seu foco. Seu caso mais recente envolve um serial killer que tem prostitutas como vítimas. No meio de suas investigações, ele se disfarça para prender algumas prostitutas que podem ter informações sobre o caso. Entre as detidas está Bess McNee, a loira de olhos verdes que não se parecia com uma prostituta. Isso porque, como ele, ela também estava disfarçada para colher informações, mas não sobre o caso e sim sobre a vida das prostitutas. Bess é escritora, escreve a telenovela Pecados Secretos e estava investigando para montar uma de suas personagens. Ela sequer era loira. Ao conhecer Alex, o detetive durão cínico e esperto, ela tem ideia para um de seus personagens, um policial que poderia muito bem ter o detetive como inspiração. Alex sempre se envolveu com mulheres lindíssimas, mas que no quesito inteligência deixavam a desejar. Ele preferia assim, preferia “pensar por elas”. Ele não estava preparado e não sabia como agir ao se envolver, ao se apaixonar por alguém com a inteligência de Bess. Ainda mais quando a inteligência e determinação dela a põe em perigo e ela se vê envolvida no caso que ele investigava, e ele passa a se importar demais com a proteção dela.

Os Stanislaski são uma família grande, barulhenta e passional, que são antes de tudo extremamente unidos e amam uns aos outros incondicionalmente. A cada livro a família vai só aumentando e nos últimos livros chega ao ponto em que perdemos a conta de quantos eles são. Mas terminamos os livros morrendo de vontade de participar de um dos almoços de domingo na casa dos Stanislaski, quando toda a família se reúne, e experimentar a farta comida da Nadia, as jujubas que o Yuri mantém escondidas da mulher e divide com as crianças, ouvir um ou outro resmungando algo em ucraniano, as discussões ideológicas entre a defensora pública Rachel e o policial Alex, ser observada pelo artista Mikhail, que invariavelmente vai querer usar seu rosto como inspiração para fazer uma escultura, ver as fotos de Natasha na época do balé e conversar com ela sobre os diversos cursos que ela fez, assistir enquanto Alex e Mikhail disputam uma queda de braço, juntar-se a todos na sala para beber vodka, ver Yuri fazendo de tudo para deixar seus filhos constrangidos – e se divertindo horrores com isso – ou apenas observar toda a movimentação, de longe.

Pesquisando aqui e ali, descobri que há mais dois livros sobre essa família, mas que não fazem parte dessa série da Harlequin. Lançados como livros de banca, um conta a história de Freddie, a filhinha do Spencer Kimball, do primeiro livro, quando adulta. O outro trás a história de Kate, filha da... de um dos irmãos Stanislaski originais. Não, não vou contar de quem ela é filha. São livros bons, mas os quatro primeiros são melhores.

Vi algumas críticas negativas a essa série, como vi muitos elogios também. Eu gostei bastante e recomendo pra quem gosta de livros de romance. O meu preferido foi o livro da Natasha. Gostei de começar a conhecer os romances escritos pela Nora Roberts, que são bons mesmo sem ser permeados por uma história policial como os que eu conhecia, e isso me animou a ir atrás das famosas trilogias dela...


Os Stanislaski #1 – Um Amor a Domar (Taming Natasha) – Natasha
Os Stanislaski #2 – Um Amor a Conquistar
(Luring a Lady) – Mikhail
Os Stanislaski #3 – Um Amor a Defender
(Falling for Rachel) – Rachel
Os Stanislaski #4 – Um Amor a Despertar
(Convincing Alex) – Alex
Os Stanislaski #5 – Esperando o Amor (Waiting for Nick) – Freddie
Os Stanislaski #6 – A Dança da Sedução (Considering Kate) – Kate



***

24 de março de 2011

Resultado Promoção "Pobre Não Tem Sorte - Leila Rego"




Resultado Promoção "Pobre Não Tem Sorte - Leila Rego"




Olá, sei que estou um pouquinho atrasada no resultado do sorteio, que deveria sair ontem, mas de hoje não passa.

Em primeiro lugar gostaria de agradecer novamente à Leila Rego, que é sempre tão querida e disponibizou o livro para sorteio. Muito obrigada Leila, muito sucesso para você sempre!!

Obrigada também a todos que participaram da promoção!

Agora, sem mais delongas, quem ganhou o livro Pobre Não Tem Sorte da Leila Rego foi:





Parabéns Giulia!


Te enviei um e-mail e você terá 5 (cinco) dias para responder com seus dados ou outro sorteio será realizado.

O prêmio será enviado à ganhadora pela autora.

Quem não foi sorteado aguarde, em breve terei mais novidades aqui no blog! ;D



***

19 de março de 2011

'Simply Irresistible - Rachel Gibson'







Simply Irresistible 

Rachel Gibson






John Kowalsky era uma das principais estrelas do Chinooks, o famoso time de hockey de Seattle. Enquanto era brilhante no ringue de gelo, fora dele sua vida era uma bagunça. Bebidas alcoólicas eram consumidas como água, e John raramente lembrava o que fez na noite anterior. Se não estava no ringue, estava bebendo ou suportando uma ressaca. Ele passava por um desses momentos de ressaca no dia do casamento do dono do time, Virgil Duffy, e não via a hora de escapar da cerimônia. Ele não tinha qualquer interesse em ver seu velho chefe fazendo papel de bobo ao se casar com uma moça que com certeza lhe estava dando o golpe do baú, ou sequer interesse em conhecer a tal moça. No momento em que entrava em seu corvette em direção a sua casa de praia, porém, seu olhar foi atraído para uma mulher em um curto vestido tomara-que-caia cor de rosa que descia correndo as escadarias. Ela lhe pediu uma carona e ele não conseguiu negar. Tarde demais descobriu que a linda morena no seu carro era a noiva de seu chefe, que ele acabara de ajudar a fugir do casamento.

Georgeanne Howard achou que poderia se casar com um homem velho o suficiente para ser seu avô apenas por causa do dinheiro, mas na última hora não conseguiu levar a ideia adiante. Não, ela não poderia se casar com alguém que não amava e Virgil nunca a perdoaria por abandoná-lo no altar. Agora ela estava completamente sozinha. Não tinha mais ninguém com quem contar, nem família, nem amigos, ninguém. Mesmo seu salvador, o alto e bonito jogador de hockey que a ajudou a escapar, parecia não gostar muito dela.

Apesar do atrito inicial, surgiu entre eles uma inquestionável e irresistível atração, que os fez passar a noite juntos, contudo, já na manhã seguinte, enquanto Georgeanne estava completamente apaixonada, John tinha certeza que ela não valia o risco de perder sua carreira, o que aconteceria no momento em que Virgil descobrisse sobre os dois. Sem muitas palavras, ele a abandonou no aeroporto com nada mais que um desejo de boa sorte.

Sete anos depois, Georgeanne é uma mulher muito mais segura do que a menina de antes, profissionalmente bem sucedida, e não está mais sozinha. Tem sua melhor amiga e sócia Mae e Lexie, sua falante filha de seis anos. Tudo vai muito bem até ela reencontrar John. Os piores dias dele ficaram para trás, junto com a bebida, e ele está inclusive pensando em se casar novamente, ter filhos, e levar uma vida mais calma. Ele então reencontra Georgeanne, que está mais linda do que ele se lembrava, e a atração que sente parece inclusive maior que antes, mas fica chocado ao chegar à casa dela e conhecer uma falante menina que tem exatamente os mesmos olhos azuis que ele. Passado o choque de saber que Georgeanne teve uma filha dele, John quer fazer parte da vida de Lexie e que a filha o chame de pai. A mãe dela, por outro lado, não tem muita certeza se pode confiar no homem que a magoou no passado, principalmente por causa do que a simples presença dele ainda a faz sentir. Ele ainda lhe causa arrepios, mas ela não está disposta a arriscar seu coração novamente. Ela aprendeu com ele a não confiar nos homens e agora não está totalmente certa de que ele realmente mudou.

Enquanto eu estava em pleno processo de mudança de casa e tudo estava uma bagunça, resolvi me permitir reler alguns dos livros que eu adoro e escolhi os livros da série sobre os jogadores do Chinooks Hockey Team, da americana Rachel Gibson, autora dos livros "Sem Clima para o Amor" e "Sempre a seu Lado" (únicos dela publicados no Brasil). Vou avisar de antemão que toda vez que for resenhar algum livro da Rachel Gibson vou comentar o quanto eu gosto dos livros dela, que já li quase tudo o que ela escreveu e o quanto eu lamento que não tenha mais de seus livros lançados no Brasil. Principalmente os livros dessa série, que estão entre os meus preferidos.

Esse ‘Simply Irresistible’ não só é o primeiro sobre os jogadores de Hockey como também o primeiro livro publicado pela Rachel. Como todos os livros dela, tem seus momentos ultra super hot, mas os momentos mais bonitinhos nos ganham. Ela mostra os rudes e truculentos jogadores de hockey, sempre com algum olho roxo, corte no supercílio, problemas pessoais, passado conturbado e sua tentativa de se redimir. John é um que passou por maus momentos. Quando conheceu Georgeanne ele não estava preparado para nada sério. Sete anos depois ele está mais maduro, livre das bebidas e pretende ser o melhor pai do mundo para a pequena Lexie. Por falar na Lexie, ela é uma personagem extremamente divertida com uma ingenuidade infantil cativante. Uma das melhores passagens do livro é a que a menina obriga seu pai a brincar com ela e suas barbies. Ela é fofa demais. Outros personagens secundários cativantes são Mae, a melhor amiga de Georgeanne, e Hugh, um dos melhores amigos de John e goleiro dos Chinooks. Ela odeia homens grandes, fortes, atletas, exatamente como Hugh, mas ele é insistente, e se encantou com ela desde o primeiro momento, e mesmo ouvindo um não atrás do outro, não desiste. A história deles até poderia ter um livro próprio. Eu sei que eu leria mais sobre eles.

Pois é, esse é mais um dos deliciosos livros da Rachel que eu não canso de ler e reler, me encantar e torcer pelos personagens. Super recomendado. Pra quem gosta do gênero e lê em inglês, é imperdível.




The Chinooks Hockey Team Series #1: Simply Irresistible 
John “The Wall” Kowalsky and Georgeanne Howard
The Chinooks Hockey Team Series #2: See Jane Score 
Luc “Lucky” Martineau and Jane Alcott
The Chinooks Hockey Team Series #3: The Trouble With Valentine’s Day 
Rob “The Hammer” Sutter and Kate Hamilton
The Chinooks Hockey Team Series #4: True Love and Other Disasters 
Ty “Saint” Savage and Faith Duffy
The Chinooks Hockey Team Series #5: Nothing But Trouble 
Mark “The Hitman” Bressler and Chelsea Ross
The Chinooks Hockey Team Series #6: Any Man of Mine 
Sam Leclaire and Autumn Haven




***

15 de março de 2011

'Gone - Lisa McMann'






Gone
Desaparecer
(Gone)
Lisa McMann







Gone é o último livro da trilogia “Dream Catchers” e o encerramento da história de Janie. Quem conhece Wake e Fade, os dois primeiros livros, sabe que ela tem uma habilidade especial, a de entrar no sonho de todos aqueles que adormecem no mesmo cômodo que ela. No decorrer da série ela vai aprendendo a controlar essa habilidade e inclusive a ajudar aqueles para cujo sonho ela é arrastada. Ela conta com a ajuda de outra apanhadora de sonhos como ela e descobre as consequências de sua habilidade. Só que essas consequências não são nada boas, nem para ela, nem para aqueles que a rodeiam.

Gosto muito dessa série, que tem um tema interessante e depois do primeiro livro me acostumei com a narrativa meio diferente – e muito criticada – da autora. Com o segundo livro me apaixonei totalmente (não só pelo Cabel) e não via a hora de conhecer o final da história. Gone é um livro bom, mas para um final de série, achei decepcionante. Toda essa coisa de "vamos ver no que vai dar" me irritou profundamente. Claro, respondeu ao que ficou em aberto, mas não correspondeu às minhas expectativas e Fade continua sendo o meu preferido da série. Tudo o que eu mais gostei nele não está presente nesse seu sucessor. Costumava acreditar que a tendência de livros de séries é melhorar de um para o outro, como aconteceu de Wake para o Fade, mas Gone é exceção para essa regra, infelizmente. Até o Cabel, de quem gosto tanto, ficou apagado neste livro.

Janie tem que tomar sua grande decisão, e entre suas opções está a de simplesmente desaparecer. Deixar para trás tudo e todos, sua melhor amiga, sua mãe, o amor de Cabel. Para piorar sua situação, ela acaba entrando nos sonhos de sua mãe, o que ela evitava ao máximo, pois eles sempre a deixavam enjoada, e acaba descobrindo o que aconteceu com ela, como ela se tornou essa pessoa dependente, com problemas com a bebida e que tanto precisa de cuidados. Janie também descobre, finalmente, quem é seu pai, e tantas de suas perguntas são respondidas.

Como eu disse, é um livro bom, com momentos angustiantes e esclarecedores, mas ainda assim achei que faltou algo. Não me empolguei com ele o tanto que esperava. Talvez seja apenas aquele velho problema de criar expectativas muito altas.

Para encerrar só digo uma coisa: depois de ler, a cadeira da capa faz tão mais sentido...



Dream Catchers # 1 – Wake – Despertar
Dream Catchers # 2 – Fade – Desvanecer
Dream Catchers # 3 – Gone – Desaparecer



***

9 de março de 2011

Eu voltei!!!


Dizem que no Brasil o ano só começa após o carnaval, e pelo menos para o meu blog, isso é verdade (não que tenha sido algo intencional). Como já expliquei aqui, me mudei de casa no final do ano e fiquei mais de 2 meses sem internet. Mas agora finalmente estou de volta. Nossa, como eu senti falta do meu blog!! Senti falta das visitas, dos comentários... Senti falta também de visitar todos os outros blogs e descobrir o que anda acontecendo. Aos poucos vou me atualizando (não vejo a hora!).

Um lado bom de ficar sem internet – apesar das intermináveis crises de abstinência – foi que li bastante nesse período e tenho diversas resenhas guardadas, no ponto de serem publicadas.

Durante esse tempo o blog ficou parado, mas nem tanto. Postei algumas coisas e quem não viu, vou fazer um resumo do que já resenhei nesse começo de ano. Ah, e ainda tem uma promoção rolando! Ainda não está participando? Veja aqui as regras. Por enquanto, aí está o que publiquei no blog nesse meio tempo:




Fallen - Lauren Kate

Após um trágico acidente, Luce é mandada para o deprimente e sombrio reformatório Sword & Cross. Lá encontra vários tipos de pessoas, a maioria adolescentes problemáticos, como ela. Todos eram obrigados a usar somente roupas pretas, mas entre todos os "alunos", seu olhar é atraído para um cachecol vermelho e seu lindo dono. O misterioso Daniel Grigori. Por outro lado havia o gentil Cam e seus desconcertantes olhos verdes. Porém, sua preocupação maior são as sombras que ela vê desde criança, que sempre lhe causaram um arrepio na espinha, que também apareceram no reformatório e dessa vez, pareciam cada vez mais fortes...



Série ‘Chinooks Hokey Team – Rachel Gibson’

Apesar de nenhum desses livros ter sido lançado no Brasil, essa é uma das minhas séries favoritas, sobre os jogadores de hockey do Chinooks. O Chinooks é um time de hockey de Seattle e no decorrer dos livros vemos toda a evolução que o time tem com o passar dos anos, a luta por títulos, a troca de jogadores etc. Cada livro trás como protagonista um dos jogadores do time e como cada um conhece uma mulher que muda totalmente sua vida. Mostra o lado truculento de todos eles, mas também mostra um lado mais gentil, normalmente aflorado por essas mulheres. É claro, para atiçar a nossa imaginação, todos esses jogadores são altos, fortes, bonitos e tudibão. Dá até vontade de acompanhar jogos de hockey se todos forem como os jogadores do Chinooks...



Wake – Lisa McMann

Janie era uma garota comum, estudava, trabalhava para juntar dinheiro para a faculdade. O maior problema dela era a hora de dormir. Não a hora em que ela dormia, mas se alguém dormisse no mesmo cômodo que ela. Janie era sugada para dentro dos sonhos das pessoas e ficava presa neles, na maioria das vezes paralisada, enquanto o sonho durasse. Tudo ficou apavorante no momento em que as pessoas começaram a enxergá-la durante os sonhos e a lhe pedir ajuda, e de mera expectadora, ela descobriu que podia ser participante...



Fade – Lisa McMann

Janie tem a habilidade de entrar nos sonhos de qualquer pessoa que esteja dormindo no mesmo cômodo que ela. O que no princípio parecia uma maldição passa a não parecer tão ruim quando Janie descobre que pode usar isso para ajudar as pessoas. Agora que ela entende melhor sua habilidade, pode usá-la para fazer algo mais, algo maior, começando com as estranhas coisas que andam acontecendo em sua própria escola. O problema de entender melhor suas habilidades é descobrir as consequências futuras, o que a leva a ter uma grande decisão a tomar...



Promoção Pobre Não Tem Sorte – Leila Rego

Ganhe um exemplar autografado do livro Pobre Não Tem Sorte, da Leila Rego, participando da promoção que está rolando aqui no blog. Ainda dá tempo!! Sorteio dia 23 de março.





***